História da ABNT - Da Segunda Guerra Mundial até Hoje

Muitos alunos e alunas da graduação, ao elaborarem o seu primeiro trabalho de conclusão de curso (TCC), ligam o nome ABNT com as regras de elaboração de sua monografia, preocupando-se, por exemplo, com notas de rodapé, referências bibliográficas, definição margens (superior, inferior e direita, esquerda) et al; porém, muito diferentemente do que acreditam, a origem da ABNT está conectada com a padronização do uso de concreto armado em 1940.

O nome da famosa instituição ABNT refere-se à Associação Brasileira de Normas Técnicas, que é uma entidade privada sem fins lucrativos fundada em 28 de setembro de 1940, sendo membro fundador da Organização Internacional de Normalização – ISO, da Comissão Pan-Americana de Normas Técnicas – Copant e da Associação Mercosul de Normalização – AMN. Além disso, desde a sua fundação, é também parte da Comissão Eletrotécnica Internacional – IEC.

Existia, naquela época, diversas normas e especificações para o uso de concreto armado, sendo identificada as discrepâncias nos ensaios realizados em laboratórios nacionais pela Associação Brasileira de Cimento Portland. Assim, não era suficiente apontar a necessidade de padronizar regras técnicas, era preciso ocorrer um movimento que fosse capaz de efetivar a normalização brasileira.

A ABNT foi fundada, portanto, no período da Segunda Guerra Mundial, sendo que os desafios eram diversos; porém, os engenheiros participantes possuíam um objetivo firme a ser alcançado: fazer com que o Brasil conseguisse alcançar o desenvolvimento da normalização ocorrida na Europa e nos Estados Unidos nas décadas de 1920 e 1930. Como se verifica, o País estava uma década atrasado.

As primeiras normas técnicas brasileiras foram: a NB – Cálculo e Execução de Obras de Concreto – e a MB-1 – Cimento Portland – Determinação da Resistência à Compreensão. As regras presentes nos documentos citados já eram aplicadas pela engenharia pátria desde 1930; porém, a normalização ocorreu uma década depois. A NB-1 obteve prestígio internacional, sendo registrada pelos Boletins da ABNT (Boletim ABNT, setembro 2010, V. 8, nº 97, p. 11), sendo que, até hoje, estes Boletins são publicados regularmente pela ABNT.

Nesse sentido, até hoje, a ABNT é responsável pela elaboração das seguintes normas:

a) Normas Brasileiras (ABNT NBR) – devem ser usadas na elaboração de monografias e a maior parte dos estudantes as conhecem;

b) Normas redigidas por seus Comitês Brasileiros (ABNT/CB);

c) Normas aprovadas por Organismos de Normalização Setorial (ABNT/NOS); e

d) Normas previstas por Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE).

A partir de 1950, a ABNT também passou a avaliar e a dispor acerca da conformidade de programas para a certificação de produtos, sistemas e rotulagem ambiental. Esta atividade de certificação é pautada em guias e princípios técnicos adotados internacionalmente e é integrada e estruturada por auditores multidisciplinares, garantidores de credibilidade, de ética e de reconhecimento pelos serviços prestados.

Dessa forma, pode-se notar que o nome da instituição ABNT está relacionado com o desenvolvimento do País, permitindo não apenas o desenvolvimento de mercados, mas também contribuindo para a defesa e para a segurança dos consumidores. Além disso, deve-se destacar a importância das regras da ABNT para o desenvolvimento da ciência no Brasil, já que registrar de forma exata e padronizada permite que técnicas e condutas sejam transmitidas para gerações que poderão segui-las e aprimorá-las.

Nesse sentido, é primordial que toda instituição de ensino dedique-se a ensinar aos seus estudantes como retransmitir o conhecimento adquirido, especialmente por meio do primeiro trabalho científico cuidando, por exemplo, de detalhes como desde as citações diretas e indiretas (com até três linhas), passando pelo emprego ou não de letras maiúsculas ou minúsculas (tamanho 10, 12 ou 14) ou mesmo do tipo de papel (A4 ou outro) até a redação do resumo em língua estrangeira e da inclusão da folha de aprovação.

Ao realizar o seu trabalho científico, portanto, não se esqueça da importância das normas padronizadoras da ABNT e de como elas devem estar presentes no seu trabalho científico, pois, são elas que permitirão que a ciência progrida cada vez mais e o seu conhecimento seja transmitido de forma adequada seja para aqueles com quem se trabalha direta ou indiretamente hoje, seja para aqueles que, no futuro, precisarão rever ou atualizar o trabalho desenvolvido no presente.

Em suma, o impacto do trabalho realizado pela ABNT ao longo das últimas décadas deve ser reconhecido como positivo para a inserção do Brasil como agente global responsável, pois a previsibilidade garantida pelo estabelecimento de normas técnicas auxilia na manutenção da ótima qualidade dos produtos e serviços disponibilizados tanto nacional quanto internacionalmente.

Finalmente, verifica-se que o trabalho desenvolvido pela Equipe da Monografia Perfeita está em consonância com o compromisso do estabelecimento de um padrão de qualidade desejável para o progresso da ciência brasileira: o desenvolvimento de aplicativos para computadores e dispositivos móveis que colaborem na escrita científica de milhares de estudantes e pesquisadores, destacadamente, a Máquina de Monografia – Edição Matrix, cujos textos gerados são automaticamente formatados conforme as normas da ABNT.

Referências bibliográficas:

Site da ABNT: http://www.abnt.org.br/abnt/conheca-a-abnt

ABNT. História da normalização brasileira. RJ:ABNT, 2011. Disponível em: <http://www.abnt.org.br/images/pdf/historia-abnt.pdf>. Acesso em: 13 de março de 2019.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.